Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diario de uma mulher negra

Hello sou a Elsa,este é o meu pequeno canto do mundo.Sou amante de sapatos,roupa,Make up,acessórios e tudo mais!Sou mãe e esposa.Esta é uma tentativa de um blog de beleza,lifestyle,moda e maluquices de uma black mad woman!

Diario de uma mulher negra

Hello sou a Elsa,este é o meu pequeno canto do mundo.Sou amante de sapatos,roupa,Make up,acessórios e tudo mais!Sou mãe e esposa.Esta é uma tentativa de um blog de beleza,lifestyle,moda e maluquices de uma black mad woman!

Qui | 23.02.17

1,4 milhões de crianças com fome!Aonde está a humanidade?

FB_IMG_1487809117192.jpg

Hello, hello people Hoje ouvi uma notícia que me deixou perturbada e muito triste.Existem neste mundo 1,4 milhões de crianças a morrer de fome! Como é possível tal coisa em pleno século 21 na era da tecnologia, avanços na medicina,descobertas de outros planetas e muito mais,existam crianças a passar fome?Eu tenho uma filha de 7 anos que é o meu mundo.Ao olhar para aquelas crianças na TV é olhar para cada uma delas como se fosse a Daniela.Inocentes,que por culpa da ganância,da guerra dos adultos sofrem as consequências de um mundo podre. Não sei no que nos estamos a transformar mas de certeza que deixamos de ser humanos á muito tempo.A humanidade, humildade,bondade e o amor desapareceram deste mundo.Deu lugar á podridão da alma humana.Impera o individualismo,o egoísmo e a falta de caráter pessoal.As crianças deixaram de ser importantes e passaram a ser simplesmente acessórios humanos para mostrar á sociedade que também posso.1,4 milhões de crianças com fome neste mundo é triste, é podre, é vergonhoso, é escandaloso, é falta da alma do ser humano.Virámos todos autómatos que nada mais nos choca. Talvez eu seja muito sensível para viver num mundo demasiado automático, porque 1,4 milhões de crianças com fome choca-me imenso,deixa-me triste,ansiosa e deprimida por não conseguir chegar a todas elas e dar um "pedaço" de mim. Quando á noite puserem a cabeça no travesseiro,pensem um pouco aonde e quando deixámos a nossa humanidade!